Home

Pela Professora Carmen Amado Mendes e Helena Lourenço Rodrigues, investigadoras do projecto “Uma Análise da Fórmula ‘Um País, Dois Sistemas’: O Papel de Macau nas Relações da China com a UE e os Países de Língua Portuguesa,” financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (http://www.ces.uc.pt/projectos/); e co-organizadoras dos Dias da China e da próxima conferência da European Association of Chinese Studies (http://www.eacs2014.pt/).

O Dia da China terá lugar no próximo dia 20 de Março, no âmbito da XV Semana Cultural da Universidade de Coimbra (http://www.uc.pt/semanacultural). Esta inciativa surgiu no ano passado, dinamizada pelos investigadores do projecto sobre Macau do Centro de Estudos Sociais, tendo incluído várias actividades         (http://www.ces.uc.pt/destaques/index.php?id=5160&id_lingua=1&pag=5162). Da parte da manhã, realizou-se um colóquio sobre “A Lusofonia e a China: Navegar o Passado, Viver o Presente e Precisar o Futuro”, indo ao encontro do mote da XIV Semana Cultural. À tarde, diversas actividades culturais foram dinamizadas com a colaboração do Instituto Confúcio da Universidade do Minho: um momento de dança, workshops de escrita chinesa e de papel recortado, e o ritual do Chá Oolong (http://www.youtube.com/watch?v=aj9MmwTSSSU). Para além disso, o então Embaixador da República Popular da China em Lisboa, Zhang Beisan, inaugurou várias exposições: “O Vermelho na Cultura Chinesa,” “Fontes para a História da China e de Macau”, “Impressões da China: Livros e Imagens Xilográficas” e “A China no Arquivo da Universidade de Coimbra.” No final do dia, o filme chinês “The Queen of Cooking” foi projectado na Casa das Caldeiras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Neste ano em que comemoramos o encontro das culturas portuguesa e chinesa, o tema escolhido, transversal às várias iniciativas dedicadas à China na Universidade de Coimbra, foi “Do Sul ao Sol”. A bi-direccionalidade deste encontro entre o Ocidente e o Oriente, ilustrada pelas viagens dos navegadores portugueses e chineses, foi evocada na estrofe 77 do Canto V de “Os Lusíadas”, cuja primeira edição impressa está na Biblioteca Geral da nossa Universidade (http://www.uc.pt/fctuc/dei/bguc/destaques/RestaurodeLusiadas):

Pela Arábica língua, que mal falam,
E que Fernão Martins muito bem entende,
Dizem que por naus, que em grandeza igualam
As nossas, o seu mar se corta e fende;
Mas que lá donde sai o Sol, se abalam
Para onde a costa ao Sul se alarga e estende,
E do Sul para o Sol, terra onde havia
Gente, assim como nós, da cor do dia.

A estrear a Casa da Lusofonia da Universidade de Coimbra, a cultura chinesa e o papel de Macau no relacionamento da China com os países de língua Portuguesa são, mais uma vez, tópicos de discussão. Para além de uma mesa-redonda à porta fechada, reservada a diplomatas, políticos e representantes das fundações e centros de investigação dedicados aos estudos chineses em Portugal, a Casa da Lusofonia também abrirá as portas aos estudantes. Pelas 11h00, Shu Jianping, Conselheiro Cultural da Embaixada da China em Lisboa, proferirá uma palestra dedicada à evolução da escrita chinesa e, a partir das 17h30, várias actividades de fusão serão protagonizadas pelos estudantes lusófonos, seguidas de uma mostra de filmes chineses e inauguração de exposição.

Celebramos os laços sino-portugueses num local que, simbolicamente, representa o ponto de partida para o relacionamento da China com o mundo lusófono, recordando o importante papel que a Universidade de Coimbra desempenhou na sinologia europeia ao receber informação privilegiada dos missionários jesuítas formados no Colégio das Artes, aquando da sua deslocação para a China no século XVI. Renomados especialistas na cena nacional e internacional têm vindo a dar o seu contributo para esta reflexão. Sobre o Dia da China de 2012, refira-se a título de exemplo a participação de Roger Greatrex, Presidente da European Association of Chinese Studies, e de Arthur Wardega, Director do Instituto Ricci de Macau; bem como a doação à Biblioteca Geral pelo filantropo Pa Wong, Presidente da Novel Energy, de impressões xilográficas (técnica de gravura em madeira usada pelos Padres jesuítas para produzir na China os primeiros impressos em línguas estrangeiras).

Este slideshow necessita de JavaScript.

O aprofundamento do intercâmbio cultural e científico continuará em evidência numa Universidade que aposta na inovação, interdisciplinaridade e internacionalização, e atrai um número crescente de estudantes chineses em áreas que já ultrapassam a aprendizagem da língua portuguesa. Na jornada de que se avizinha, mais de trinta personalidades marcarão presença, destacando-se o actual Embaixador China em Lisboa, Huang Songfu, e o Embaixador João de Deus Ramos, responsável pela abertura da Embaixada portuguesa em Pequim, em 1979, e recentemente agraciado com o prémio da UC. (http://noticias.universia.pt/actualidad/noticia/2013/03/01/1008266/embaixador-joo-deus-ramos-recebe-premio-universidade-coimbra.html)
 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s